Modelo de Proposta de Resolução

Olá, senhores delegados! Como vão? Estão estudando bastante?

Bom, esperamos que sim, pois faltam dois dias para o MINIONU e este é o momento para se dedicar mais aos estudos e, principalmente, consultar os diretores sempre que tiverem dúvidas pertinentes à dinâmica do comitê ou ao país que representará.

Pensando nisso, a equipe CNUOI (1945) decidiu fazer um modelo de Proposta de Resolução, que é o mais importante dos documentos produzidos pelos senhores. A Proposta de Resolução possui formatação específica e, com tantas regras, podemos acabar nos perdendo, não é? Então, vamos lá!

O quê é uma Proposta de Resolução?

A Proposta de Resolução, como sugere o próprio nome, é um documento que sintetiza as decisões tomadas pelo Comitê, isto é, o que de fato será feito.

E como a Proposta de Resolução deverá ser elaborada?

Existem vários passos. O primeiro deles é o próprio debate. Antes de tentar resolver o problema, os senhores deverão pôr de acordo as decisões. O acordo verbal, no entanto, não é suficiente: é necessário reconhecê-lo como legítimo ou autêntico. É exatamente isto que se pretende alcançar com a Resolução.

Resolução??? Mas não era Proposta de Resolução?

Sim. Mas a Proposta de Resolução só é uma proposta se ela não tiver sido aprovada ainda. Por definição, é “o que se propõe”. Depois de aprovada (serão necessários 2/3 dos votos para isso), o documento não será mais uma proposta e, sim, o quê se decidiu, uma Resolução!

E como redigi-la?

O cabeçalho do documento deverá conter o nome do comitê, a data, a língua do documento original e a numeração do documento. A numeração é o meio pelo qual a Mesa dispõe os documentos apresentados em determinada ordem a fim de evitar equívocos, devido à multiplicidade de documentos produzidos. O formato dessa numeração se dará da seguinte forma:

  • A sigla do comitê: “CNUOI”;
  • O tipo de documento (RES para propostas de resolução; EME para Emendas e DOC para Documentos de Trabalho);
  • tópico da agenda referente ao documento (ordenados pelas letras A, B, C, etc.);
  • Número do documento (será determinado de acordo com a ordem de apresentação),
  • O ano em que ele foi produzido.

A primeira resolução do primeiro tópico da agenda da nossa reunião, portanto, terá a seguinte numeração: CNUOI/RES/A/1 (1945).

Deverá conter, também:

  • O título do tópico da Agenda no qual a resolução foi apresentada;
  • Países signatários do documento;
  • Tipo do documento (no caso de ser uma Proposta de Emenda, deverá especificar qual resolução se pretende emendar);
  • Definição do conteúdo da proposta de resolução;
  • Cláusulas preambulares e operativas.

O preâmbulo, por definição, diz respeito às palavras que antecedem as coisas definitivas, isto é, as decisões tomadas de fato. As cláusulas preambulares são, portanto, um relatório ou uma exposição dos motivos que levaram o comitê a tomar as decisões que seguem.

As cláusulas operativas estabelecem o quê de fato vai ser feito; executado; o quê foi decidido. Não existe um padrão de redação específico para estas cláusulas, porém o conteúdo deve fazer sentido e determinar ou decidir sobre algo de modo claro.

Segue, abaixo, um modelo de Proposta de Resolução, já no padrão especificado acima. Qualquer dúvida, seguimos à disposição!

Modelo de Proposta de Resolução

A cobra fumou!

Perto de algumas situações tensas ou no Programa do Ratinho, você já deve ter ouvido alguém dizer a expressão “a cobra vai fumar”. Ao mesmo tempo, deve ter se perguntado como isto é possível. Na verdade, cobras não fumam e a ideia exprimida nesta frase remete ao significado de “algo difícil de ser realizado” ou até mesmo de uma ameaça de que algo ruim possa acontecer: “o bicho vai pegar”!

Mas de onde veio esta expressão e o que ela tem a ver com o tema da nossa Conferência?

Nos anos imediatamente anteriores à invasão da Alemanha na Polônia, considerada o marco inicial da Segunda Guerra Mundial, o Governo do Presidente brasileiro, Getúlio Vargas, ainda não havia definido sua política econômica. Desse modo, Getúlio adotou o posicionamento que o historiador Gerson Moura chamou de “equidistância pragmática” (também chamada de “diplomacia pendular”), caracterizada pela aproximação brasileira tanto com o sistema de comércio compensado da Alemanha, quanto com o livre-cambismo norte-americano. Tirando o máximo de vantagem possível, ora negociando com um, ora com outro, mas sem se aliar, definitivamente, a qualquer um dos lados, Getúlio manteve sua diplomacia como um “pêndulo” entre a Alemanha e os Estados Unidos. Mais tarde, no contexto da Segunda Guerra, o Brasil, declarou sua posição de neutralidade, como grande parte da América Latina.

Ainda que o Brasil tenha declarado Guerra ao Eixo em 1942, essas cicobra fumandorcunstâncias levaram Vargas a declarar que seria “mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar efetivamente na guerra”. Outras versões dessa história relatam que um General brasileiro – e não Getúlio – teria dito a frase, ou mesmo Hitler. Independente de qual versão seja a verdadeira, o fato é que o Brasil enviou tropas para lutar na Itália. A Força Expedicionária Brasileira – FEB – tinha como distintivo o desenho de uma cobra fumando um cachimbo, em provocação à frase que teria se popularizado.

Em 1944, o Brasil estava participando ativamente da guerra; a cobra estava fumando! Quando o “bicho pega”, todos se submetem ao improvável.

A equipe da CNUOI 1945 não recomenda o consumo de tabaco ou qualquer outro produto do qual se possa aspirar o fumo.

Dress codes do mundo islâmico

Olá Senhores Delegados,

Falta menos de 15 dias para o MINIONU! Por isso, decidimos fazer esta postagem referente a algumas dúvidas que possam surgir a respeito de vestimenta. No entanto, este post é diferente daquele primeiro post anterior.

Sempre presenciamos delegados que desejam comparecer a caráter para representar a cultura do seu respectivo país nos dias que decorrem o evento, o que particularmente, nós, da Mesa Diretora, achamos ótimo para que o clima possa ser o mais próximo e original possível.

Comumente do oriente médio exigem mais cuidado nas suas vestimentas porque carregam nelas praticamente toda sua cultura, ideologia e religiosidade. Para ajudar vocês nessa busca descreveremos um pouco a respeito da importância da roupa característica para os países islâmicos que tem como fundamento o islamismo e indicaremos alguns sites que ajudarão vocês na escolha da roupa.

A maioria dos estados muçulmanos prescreve o uso de um modelo de vestimenta determinado para as mulheres que vigora em grande parte do mundo islâmico, variando conforme a zona geográfica e a camada social.  Essa vestimenta recebe o nome de: hijab.

O hijab é o lenço que cobre grande parte da cabeça da mulher e tem várias traduções dependendo da região islâmica, por exemplo: véu; manta; largo véu; ou, mesmo em árabe, duas palavras diferentes, jalabib ou khimar. Também as indicações sobre as circunstâncias em que se deve usar esta indumentária e acerca da sua obrigatoriedade, deixam margens para divergências de opinião, entre os muçulmanos.

O Alcorão contém várias passagens que se debruçam sobre a roupa e o adorno a serem empregues pelas mulheres.

Os motivos que os islâmicos adiantam para o uso do véu são vários. Um primeiro grupo de razões prende-se com a função simbólica e comunicativa da roupa. A mulher propriamente vestida mostraria ser uma muçulmana devota. A roupa ajudaria a afastar o “pecado”, dela e dos homens que encontrará. De acordo com este raciocínio, o lenço serve para evitar o assédio sexual e para ajudar a manter a castidade até o casamento. Protege contra o risco de transgressão de normas sexuais.

Em algumas regiões islâmicas, o hijab não é obrigatório, mas algumas mulheres vestem simplesmente por ser tradição no seu ambiente. É pelas mulheres que as comunidades demarcam o seu “território”, a sua cultura, as suas normas. A indumentária das mulheres serviria para representar e sublinhar esta singularidade da cultura, para além de ser uma indicação importante da virtude da família ou da comunidade.

Seja como for, muitas das mulheres islâmicas tapam os cabelos, os braços e as pernas. Em casos mais extremos, o rosto é coberto (niqab) e usam-se luvas e meias. Em vastas áreas do Paquistão, por exemplo, as mulheres usam calças largas (ghararas) e por cima dessas uma túnica (chemize) até aos joelhos. Um lenço, leve (duppata) ou mais pesado (chadar), cobre os cabelos e ombros. Nas zonas ocidentais e especialmente no noroeste do Paquistão, as mulheres vestem a burqa, a manta larga que esconde o rosto, quando se deslocam para fora do seu terreno “familiar”. O tipo de indumentária depende, portanto, das circunstâncias e do espaço: privado, público ou um território intermédio.

Seguem modelos de Hijab de acordo com seu respectivo país:

is

Sites com dicas de vestimenta Islâmica:

http://www.ehow.com.br/roupas-mulheres-homens-muculmanos-usam-info_77390/

http://www.ehow.com.br/estilos-hijab-arabe-info_193729/

http://www.ehow.com.br/estilos-hijab-varios-tipos-rostos-info_235702/

http://amulhereoislam.wordpress.com/tag/roupas-islamicas/

Manual prático de uma conferência

Olá, senhores delegados. Estamos a poucos dias do início da Conferência das Nações Unidas sobre Organização Internacional e…

Ei, péra aí!!! O que é uma conferência? Como isso funciona? Qual a diferença desta para os outros tipos de reuniões?

Na foto, delegados de 16 Estados estão reunidos em uma conferência internacional, em Genebra, em 1864. Nesta reunião foi elaborada e assinada a Convenção de Genebra.

Imaginando que estas dúvidas possam ser gerais, a equipe CNUOI (1945) decidiu elaborar um pequeno guia explicativo sobre a estrutura de uma conferência. Aproveitamos o espaço para sugerir um cronograma para a nossa. Confiram o manual clicando aqui.

Indicações de filmes – Décadas de 1990, 2000 e 2010

Olá, senhores delegados. Dando continuidade aos nossos dois últimos posts, hoje concluiremos nossa lista de indicações de filmes. Deixamos os melhores para o final não de propósito. Apenas seguimos uma ordem cronológica de lançamentos, por isso, hoje indicaremos apenas os filmes lançados a partir da década de 1990. Confiram:

A inusitada história de Oskar Schindler (Liam Neeson), um sujeito oportunista, sedutor, “armador”, simpático, comerciante no mercado negro, mas, acima de tudo, um homem que se relacionava muito bem com o regime nazista, tanto que era membro do próprio Partido Nazista (o que não o impediu de ser preso algumas vezes, mas sempre o libertavam rapidamente, em razão dos seus contatos). No entanto, apesar dos seus defeitos, ele amava o ser humano e assim fez o impossível, a ponto de perder a sua fortuna mas conseguir salvar mais de mil judeus dos campos de concentração.

Título original: Schindler’s List

Direção: Steven Spielberg

Elenco: Liam Neeson, Ben Kingsley, Ralph Fiennes e outros.

Ano: 1993

Duração: 3h15min

 

Durante a Segunda Guerra Mundial na Itália, o judeu Guido (Roberto Benigni) e seu filho Giosué são levados para um campo de concentração nazista. Afastado da mulher, ele tem que usar sua imaginação para fazer o menino acreditar que estão participando de uma grande brincadeira, com o intuito de protegê-lo do terror e da violência que os cercam.

Título original: La Vita è Bella

Direção: Roberto Benigni

Elenco: Roberto Benigni, Horst Buchholz, Marisa Paredes e outros.

Ano: 1999

Duração: 1h57min

 

Ao desembarcar na Normandia, no dia 6 de junho de 1944, capitão Miller (Tom Hanks) recebe a missão de comandar um grupo do segundo batalhão para o resgate do soldado James Ryan, caçula de quatro irmãos, dentre os quais três morreram em combate. Por ordens do chefe George C. Marshall, eles precisam procurar o soldado e garantir o seu retorno, com vida, para casa.

Título original: Saving Private Ryan

Direção: Steven Spielberg

Elenco: Tom Hanks, Tom Sizemore, Edward Burns e outros.

Ano: 1998

Duração: 2h43min

 

Pouco antes do bombardeio japonês em Pearl Harbor, dois amigos que são como irmãos um para o outro se envolvem de maneira distinta nos eventos que fazem com que os Estados Unidos entrem na 2ª Guerra Mundial. Enquanto que Rafe (Ben Affleck) se apaixona pela enfermeira Evelyn (Kate Beckinsale) e decide se alistar na força americana que lutará na 2ª Guerra Mundial, em Londres, Danny (Josh Hartnett) torna-se piloto da Força Aérea dos Estados Unidos e permanece no país. Após a notícia de que Rafe morrera em um dos combates que travava contra os alemães, Danny e Evelyn se aproximam e terminam se apaixonando.

Título original: Pearl Harbor

Direção: Michael Bay

Elenco: Ben Affleck, Josh Hartnett, Kate Beckinsale e outros.

Ano: 2001

Duração: 2h58min

 

Em 8 de dezembro de 1941 os Estados Unidos declararam guerra ao Japão. Durante vários anos o exército norte-americano esteve envolvido em uma difícil batalha no Pacífico, onde lutava pela posse das diversas ilhas que cercam o Japão. Durante a batalha, o exército japonês tentava de todas as formas descobrir o código usado pelos americanos para a transmissão de suas mensagens em segredo. Em 1942 vários soldados navajos foram recrutados e treinados para que sua língua nativa fosse usada como código durante a guerra. Um destes soldados é Ben Yahzee (Adam Beach), que tem como guarda-costas o sargento Joe Enders (Nicolas Cage). Enders tem como missão proteger o código de guerra, conhecido por Yahzee, a todo custo dos inimigos japoneses, mesmo que para tanto seja preciso matar o soldado que protege.

Título original: Windtalkers

Direção: John Woo

Elenco: Nicolas Cage, Adam Beach, Christian Slater e outros.

Ano: 2001

Duração: 2h14min

 

O pianista polonês Wladyslaw Szpilman (Adrien Brody) interpretava peças clássicas em uma rádio de Varsóvia quando as primeiras bombas caíram sobre a cidade, em 1939. Com a invasão alemã e o início da 2ª Guerra Mundial, começaram também restrições aos judeus poloneses pelos nazistas. Inspirado nas memórias do pianista, o filme mostra o surgimento do Gueto de Varsóvia, quando os alemães construíram muros para encerrar os judeus em algumas áreas, e acompanha a perseguição que levou à captura e envio da família de Szpilman para os campos de concentração. Wladyslaw é o único que consegue fugir e é obrigado a se refugiar em prédios abandonados espalhados pela cidade, até que o pesadelo da guerra acabe.

Título original: The Pianist

Direção: Roman Polanski

Elenco: Adrien Brody, Thomas Kretschmann, Emilia Fox e outros.

Ano: 2002

Duração: 2h28min

 

Berlim, início do século XX. Olga Benário (Camila Morgado) é uma jovem judia alemã. Militante comunista, é perseguida pela polícia e foge para Moscou, onde recebe treinamento militar e é encarregada de acompanhar Luís Carlos Prestes (Caco Ciocler) de volta ao Brasil. Na viagem, enquanto planejam a Intentona Comunista contra o presidente Getúlio Vargas, os dois acabam apaixonando-se. Parceiros na vida e na política, Olga e Prestes terão de lutar pelo amor, pelo comunismo e, principalmente, pela sobrevivência.

Título original: Olga

Direção: Jayme Monjardim

Elenco: Camila Morgado, Caco Ciocler, José Dumont e outros.

Ano: 2004

Duração: 1h39min

 

Traudl Junge (Alexandra Maria Lara) trabalhava como secretária de Adolf Hitler (Bruno Ganz) durante a 2ª Guerra Mundial. Ela narra os últimos dias do líder alemão, que estava confinado em um quarto de segurança máxima.

Título original: Der Untergang

Direção: Oliver Hirschbiegel

Elenco: Bruno Ganz, Juliane Köhler, Alexandra Maria Lara e outros.

Ano: 2004

Duração: 2h30min

 

Após ser preso e levado a um campo de concentração, Salomon Sorowitsch (Karl Markovics) concorda em ajudar os nazistas em uma operação de falsificação criada para financiar os esforços de guerra. Neste processo mais de 130 milhões de libras esterlinas foram impressas. Como o Reich sabia que o fim da guerra estava próximo, ordenou que fossem impressas notas na moeda dos inimigos da Alemanha. A intenção era que esta atitude minasse a economia dos países e, ao mesmo tempo, ajudasse os cofres alemães. Tratava-se da Operação Bernhard, que contou com a participação de prisioneiros de diversos campos de concentração.

Título original: Die Fälscher

Direção: Stefan Ruzowitzky

Elenco: Karl Markovics, August Diehl, Devid Striesow e outros.

Ano: 2007

Duração: 1h38min

 

Alemanha, Segunda Guerra Mundial. O menino Bruno (Asa Butterfield), de 8 anos, é filho de um oficial nazista (David Tewlis) que assume um cargo importante em um campo de concentração. Sem saber realmente o que seu pai faz, ele deixa Berlim e se muda com ele e a mãe (Vera Farmiga) para uma área isolada, onde não há muito o que fazer para uma criança com a idade dele. Os problemas começam quando ele decide explorar o local e acaba conhecendo Shmuel (Jack Scanlon), um garoto de idade parecida, que vive usando um pijama listrado e está sempre do outro lado de uma cerca eletrificada. A amizade cresce entre os dois e Bruno passa, cada vez mais, a visitá-lo, tornando essa relação mais perigosa do que eles imaginam.

Título original: The Boy in the Striped Pyjamas

Direção: Mark Herman

Elenco: Asa Butterfield, Vera Farmiga, David Thewlis e outros.

Ano: 2008

Duração: 1h34min

 

Durante a Segunda Guerra Mundial, uma jovem garota chamada Liesel Meminger (Sophie Nélisse) sobrevive fora de Munique através dos livros que ela rouba. Ajudada por seu pai adotivo (Geoffrey Rush), ela aprende a ler e partilhar livros com seus amigos, incluindo um homem judeu (Ben Schnetzer) que vive na clandestinidade em sua casa. Enquanto não está lendo ou estudando, ela realiza algumas tarefas para a mãe (Emily Watson) e brinca com a amigo Rudy (Nico Liersch).

Título original: The Book Thief

Direção: Brian Percival

Elenco: Geoffrey Rush, Emily Watson, Sophie Nélisse e outros.

Ano: 2013

Duração: 2h11min

 

Antes de assistir, não esqueça de olhar a classificação etária!

Indicações de filmes – Décadas de 1960, 1970 e 1980

Dando continuidade ao nosso post anterior, indicaremos filmes lançados nas décadas de 1960 a 1980 que se passam no contexto da Segunda Guerra Mundial.

Estadunidenses, britânicos, canadenses, franceses. Milhares de militares, navios, tanques, aviões. As diferentes ofensivas do maior ataque planejado dos últimos tempos. Os acontecimentos do histórico Dia D, seis de junho de 1944.

Título original: The Longest Day

Direção: Ken Annakin, Andrew Marton, Bernhard Wicki, Gerd Oswald e Darryl F. Zanuck.

Elenco: Bourvil, Jean-Louis Barrault, Richard Burton e outros.

Ano: 1962

Duração: 3h02min

 

Norte da África, 1943. Patton (George C. Scott) assume o comando e injeta disciplina nos seus subordinados. Na Segunda Guerra, preocupado com a batalha contra o Marechal Rommel (Karl Michael Vogler), Patton procura entendê-lo lendo o livro do próprio Rommel. Promovido, é enviado para a Itália, mas coloca o futuro de sua carreira em risco ao esbofetear um recruta que estava tendo um colapso nervoso. Este incidente o faz perder o comando do seu exército e, por extensão, ser excluído da invasão do “Dia D”, além de ser forçado a pedir desculpas públicas pelo ocorrido.

Título original: Patton

Direção: Franklin J. Schaffner

Elenco: George C. Scott, Karl Malden, Michael Bates e outros.

Ano: 1970

Duração: 2h50min

 

Paris, 1942. Com a cidade ocupada pelos nazistas, o judeu Lucas Steiner (Heinz Bennent) é impossibilitado de continuar a comandar o Theatre Montmartre. Sua esposa, Marion (Catherine Deneuve), assume a direção e contrata Bernard Granger (Gerard Depardieu) para estrelar uma nova peça. Enquanto a química entre os dois aumenta, Lucas trabalha no porão do teatro.

Título original: Le dernier métro

Direção: François Truffaut

Elenco:  Catherine Deneuve, Gérard Depardieu, Jean Poiret e outros.

Ano: 1980

Duração: 2h13min

 

Jim Graham (Christian Bale) é um garoto de 11 anos de uma família inglesa que vive no Oriente. Jim tem um padrão de vida alto, mas de repente é separado de seus pais em virtude da China ser invadida pelo Japão. Isto o força a se defender e o obriga a crescer, tornando-se então um sobrevivente em um campo de concentração com rígidas regras.

Título original: Empire of the Sun

Direção: Steven Spielberg

Elenco:  Christian Bale, John Malkovich, Miranda Richardson e outros.

Ano: 1987

Duração: 2h34min

 

Atente-se para a classificação etária antes de assistir a qualquer um destes filmes.

Indicações de filmes – Década de 1940 e 1950

Olá senhores delegados!

Falta menos de um mês para o MINIONU e imaginamos que a carga de estudos realmente deva estar pesando. Pensando em um momento de lazer e descanso, nossa equipe resolveu relacionar alguns filmes que se passam no contexto da Segunda Guerra Mundial e indicá-los. Sem mais delongas, segue abaixo a lista contendo sinopse, direção, elenco, ano de produção e duração de alguns filmes produzidos nas décadas de 1940 e 1950. Mais tarde, indicaremos alguns filmes das décadas seguintes. Aguardem!

 

Durante uma embarcação para o Canadá, um submarino nazista afunda e apenas alguns tripulantes sobrevivem. Para fugir dos militares canadenses, os alemães navegam até a baía de Hudson, onde buscarão fontes de sobrevivência para continuar sua jornada de capturadas.

Título original: 49th Parallel

Direção: Michael Powell

Elenco: Leslie Howard, Laurence Olivier, Raymond Massey e outros.

Ano: 1941

Duração: 1h58min

 

Durante a Segunda Guerra Mundial, muitos fugitivos tentavam escapar dos nazistas por uma rota que passava pela cidade de Casablanca. O exilado americano Rick Blaine (Humphrey Bogart) encontrou refúgio na cidade, dirigindo uma das principais casas noturnas da região. Clandestinamente, tentando despistar o Capitão Renault (Claude Rains), ele ajuda refugiados, possibilitando que eles fujam para os Estados Unidos. Quando um casal pede sua ajuda para deixar o país, ele reencontra uma grande paixão do passado, a bela Ilsa (Ingrid Bergman). Este amor vai encontrar uma nova vida e eles vão lutar para fugir juntos.

Título original: Casablanca

Direção: Michael Curtiz

Elenco: Humphrey Bogart, Ingrid Bergman, Paul Henreid e outros.

Ano: 1942

Duração: 1h42min

 

Após ser derrotado pelas tropas de Rommel, no Egito, o exército britânico bate em retirada deixando para trás um sobrevivente, John Bramble (Franchot Tone). Ele encontra refúgio num inóspito hotel no deserto, o qual mais tarde, receberá a visita de ninguém menos que o próprio General Rommel (Erich Von Stronheim) e sua estratégia secreta de guerra, denominada “Cinco Covas”.

Título original: Five Graves to Cairo

Direção: Billy Wilder

Elenco: Erich von Stroheim; Anne Baxter; Akim Tamiroff; Miles Mander e outros.

Ano: 1942

Duração: 1h36min

 

Ação explosiva do princípio ao fim, neste clássico de 1943, com presença marcante de Bogart, na envolvente história de um batalhão perdido num grande deserto da África, durante a segunda guerra. Após a queda da cidade líbia de Tobruk, o sargento Joe Gunn (Humphrey Bogart) e sua equipe Waco Hoyt (Bruce Bennett), Fred Clarkson (Lloyd Bridges)e Jimmy Doyle (Dan Duryea) retiram-se em seu tanque pelo Sahara. Durante o caminho, eles recolhem seis combatentes aliados e Tambul (Rex Ingram), um soldado das forças sudanesas e seu prisioneiro italiano. Tambul leva o grupo a uma fortaleza deserta, onde eles esperam desesperadamente encontrar água. Um destacamento de soldados alemães chega e negociam trocar água por comida, mas Gunn e seus seguidores se recusam. Quando os alemães atacam, Gunn lidera seus homens em uma desesperada batalha, esperando que as forças inglesas cheguem a tempo.

Título original: Sahara

Direção: Zoltan Korda

Elenco: Humphrey Bogart; Bruce Bennett e outros.

Ano: 1943

Duração: 1h37min

 

Um dos líderes da Resistência, Giorgio Manfredi (Marcello Pagliero), é procurado pelo nazistas. Giorgio planeja entregar um milhão de liras para seus compatriotas. Ele se esconde no apartamento de Francesco (Francesco Grandjacquet) e pede ajuda à noiva de Francesco, Pina (Anna Magnani), que está grávida. Giorgio planeja deixar um padre católico, Don Pietro (Aldo Fabrizi), fazer a entrega do dinheiro. Quando o prédio é cercado, Francesco é preso pelos alemães e levado para um caminhão. Gritando, Pina corre em sua direção e é metralhada no meio da rua. Giorgio foge para o apartamento de sua amante, Marina (Maria Michi), sem imaginar que este seria o maior erro da sua vida.

Título original: Roma città aperta

Direção: Roberto Rossellini

Elenco: Marcello Pagliero, Aldo Fabrizi, Anna Magnani e outros.

Ano: 1945

Duração: 1h45min

 

O ex-sargento Al Stephenson (Fredric March), o ex-piloto Fred Derry (Dana Andrews) e o marinheiro Homer Parrish (Harold Russel) retornam para casa após combater na Segunda Guerra Mundial. Dispostos a recomeçar a vida, os três veteranos vão ter de conciliar os traumas de guerra e vencer o difícil período de readaptação com suas famílias e antigos empregos.

Título original: The Best Years of Our Lives

Direção: William Wyler

Elenco: Myrna Loy, Fredric March, Dana Andrews e outros.

Ano: 1946

Duração: 2h52min

 

Indicada a diversos prêmios e vencedora de 2 Oscars®, esta obra conta a história de um grupo de soldados durante a Batalha de Bulge na II Guerra Mundial. Quando os alemães iniciam uma ofensiva de surpresa na região das Ardenas, numa tentativa desesperada de barrar o avanço inimigo, o sargento Kinnie (James Whitmore) posiciona seus soldados (Van Johnson, John Hodiak e Ricardo Montalban) próximos de Bastogne, numa floresta sob frio rigoroso. Ponto estratégico para os aliados, Bastogne deve ser defendida a qualquer custo, mas a situação dos soldados se complicará quando um ataque surpresa dos alemães os deixará cercados e com a munição próxima do fim.

Título original: Battleground

Direção: William A. Wellman

Elenco: Van Johnson; John Hodiak e outros.

Ano: 1949

Duração: 1h58min

 

O Marechal Erwin Johannes Rommel (James Mason), líder do Afrika Korps e um dos maiores especialistas em estratégia do exército alemão, não concorda com as decisões de Hitler (Luther Adler) e se junta a um grupo de conspiradores que planeja uma forma de tirá-lo do poder.

Título original: The Desert Fox: The Story of Rommel

Direção: Henry Hathaway

Elenco: James Mason, John Hoyt, Cedric Hardwicke e outros.

Ano: 1951

Duração: 1h28min

 

A pequena Paulette (Brigitte Fossey) fica órfã após um ataque aéreo sobre a França durante a Segunda Guerra. Acolhida por uma família do interior, ela torna-se companheira inseparável de Michel (Georges Poujouly), alguns anos mais velho. Mesmo em meio a brincadeiras, a morte, tão rotineira, não deixa de estar presente no imaginário dos dois, que decidem criar um cemitério de animais.

Título original: Jeux interdits

Direção: René Clément

Elenco: Brigitte Fossey, Georges Poujouly, Laurence Badie e outros.

Ano: 1952

Duração: 1h25min

Depois de liquidar suas diferenças com o comandante de um campo de prisioneiros japonês, um coronel britânico coopera para supervisionar seus homens na construção de uma ponte ferroviária para os seus captores – enquanto permanece alheio aos planos dos Aliados para destruí-la.

Título original: The Bridge on the River Kwai

Direção: David Lean

Elenco:  Alec Guinness, William Holden, Jack Hawkins e outros.

Ano: 1957

Duração: 2h41min

 

Antes de assistir, não esqueça de olhar a classificação etária!